PT | EN



Calendário:
Ciclo "Cultura Viva"
Data:
07/06/2019 19:00 - 20:00
Localização:

Descrição

ENTRADA LIVRE

Paris Guitare Quartet 
Criado em 2014, o Paris Guitare Quartet, à imagem da grande metrópole francesa, multicultural e cosmopolita, reúne quatro músicos de nacionalidades francesa, italiana e portuguesa.
Dotados de uma grande experiência tanto no domínio da música clássica como, também, no do jazz, o quarteto foi convidado em numerosos concertos e festivais tanto em França (Paris, Royaumont, Mirecourt, Cieux, Athis-Mons, Bois-le-Roi, Morangis, Morsang, Juvisy, Villecresnes, Igny, Saint-Mandé, Gentilly, Fresnes, etc.) como no estrangeiro - Lisboa, Almada, Lagoa, Viseu, Abrantes (Pt), Hondarribia (E), Bortigiadas (I), etc.
Em 2016, eles apresentaram em França a estreia mundial de 10 obras para quarteto de guitarras e quarteto vocal dos compositores portugueses António Pinho-Vargas, Fernando Lapa, Sérgio Azevedo, Carlos Marecos, Nuno Côrte-Real, José Carlos Sousa, Edward Luys Aires d’Abreu, Tiago Derriça, Anne Victorino d’Almeida e Daniel Davis.
Unidos pela mesma paixão em palco, eles aliam os seus talentos para oferecer ao público um reportório de música antiga e moderna, num contraponto de ambientes e sonoridades contrastantes, tendo como linha condutora a beleza, a elegância e a poesia da guitarra clássica.

http://parisguitarquartet.wix.com/quartet  

3 CV2019 07JUN PGQ Foto Quito de Sousa Creditos Jean Marie GuérinQuitó De Sousa Antunes
Após os seus estudos de guitarra clássica na classe do professor Arlindo Marques, no Conservatório Regional de Tomar onde foi bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, Quitó De Sousa Antunes foi aperfeiçoar-se em França com Betho Davezac no conservatório de Paris XV onde obteve o Primeiro Prémio Cidade de Paris, bem como no conservatório nacional de Meudon onde obteve a Medalha d’Ouro e o Diploma de Aperfeiçoamento. Frequentou em seguida, vários cursos e masterclasses com Alberto Ponce, Manuel Morais, Nuno Torka-Miranda, Arlette Biget, Claude-Henri Joubert, Nicolas Brochot, Gérard Pesson et Arnaud Dumond. Muito interessado pela música contemporânea, foi membro fundador do ensemble de guitarras Harmonique 12 e participou na estreia mundial d’obras de D. Visser, P. Challulau, E. Rolin, C. Zulian, Ph. Demier, L. Bicalho, F. Vercken, G. Gioanola, J. L. Petit e A. Brochot. Actualmente é professor titular no conservatório Les Portes de l’Essonne e é o director artístico do Festival Internacional Guitar’Essonne. As suas transcrições de Ravel, Debussy e Fauré estão editadas em Paris pelas Edições Alphonse Leduc e Soldano.

 

3 CV2019 07JUN PGQ Foto Sebastien Lechanoine Creditos Jean Marie GuérinSébastien Lechanoine

Atraído pela música desde muito pequeno, começou o estudo da guitarra clássica no conservatório com a idade de seis anos. Aluno do ensino articulado na escola secundária de Thiais, ele descobre o prazer da música-de-câmara e da orquestra, graças à aprendizagem do contrabaixo. A prática intensiva do instrumento, a descoberta do reportório sinfónico, bem como o ensino que aí é leccionado, fazem nascer uma vocação musical, jamais contrariada pelo passar dos anos. Em 1993 obteve o Diploma de Excelência na classe de guitarra de Didier Prat. Aperfeiçoa-se em seguida em estágios e masterclasses com Pablo Marquez, Tania Chagnot e Roberto Aussel, bem como na classe do mestre Betho Davezac. Do seu encontro com o guitarrista argentino Raul Maldonado, nascerá o “Trio Tiempos” que eles compõem com Elodie Bouny. O Trio, que toca um reportório exclusivamente constituído por música sul-americana tradicional ou original, produziu-se em numerosos concertos em França e na ilha da Réunion. De formação clássica, Sébastien interessa-se por diversos estilos musicais, desde as peças para alaúde de Weiss ou Bach, até à corrente minimalista personificada por Steve Reich, passando pelas obras do compositor argentino Abel Fleury.

 


3 CV2019 07JUN PGQ Foto Thomas Baron Creditos Jean Marie GuérinThomas Baron

Thomas Baron descobre a guitarra através da canção e da música pop, com a idade de 12 anos. Como autodidata aprende de ouvido as peças de guitarra clássica dos discos de seu pai e fica literalmente apaixonado pelo instrumento. Depois dos seus estudos no conservatório de Rueil-Malmaison, obtém em 1995 o Primeiro Prémio tanto em Guitarra como em Música-de-Câmara. Aperfeiçoou-se em seguida, no conservatório de La Courneuve com Alberto Ponce. Paralelamente continua os estudos no CEFEDEM de Ile-de-France e obtém o « Diplôme d’Etat » de professor de música. Atraído também pelas músicas improvisadas, Thomas Baron frequentou a American School of Modern Music onde desenvolve os seus conhecimentos teóricos ligados à harmonia jazz e ao improviso. Actualmente é professor titular no conservatório de Sainte-Geneviève-des-Bois e ensina a guitarra com toda a sua polivalência. Da música antiga ao Rock, esta abertura sobre a diversidade é sem dúvida o que o caracteriza melhor.

 

 

3 CV2019 07JUN PGQ Foto Marc Salvatore Creditos Jean Marie GuérinMarc Salvatore

É durante a adolescência que Marc Salvatore adopta este instrumento como autodidata e toca um reportório de jazz e Bossa-Nova. O seu primeiro professor Philippe Lombardo, graças ao qual ele desenvolve os seus conhecimentos ligados ao jazz, leva-o igualmente a descobrir a guitarra clássica. Depois dos seus estudos no conservatório de Hay-les-Roses, na classe de Tania Chagnot, ele obtém a Medalha d’Ouro em 1997. Depois de vários anos de aperfeiçoamento, Marc desenvolve várias experiências musicais com o gupo Dédale, o bandolinista Marcel Gasparini e em orquestra de guitarras, nomeadamente sob a direcção de Léo Brouwer. O seu trabalho instrumental que oscila sempre entre o clássico e o jazz, é fortemente inspirado pelo compositor e guitarrista Ralph Towner.

 

 

 

 

 

3 CV2019 07JUN PGQ Lisboa 01 Creditos Foto de Jean Marie Guérin


voltar